Entrevista Exclusiva do LFBR com Lara Fabian

Como prometido, segue a entrevista em primeira mão realizada por nossa equipe e publicada na Fan Page do Facebook:


LFBR: “Camouflage” é o seu terceiro álbum de estúdio original em inglês. Seu último álbum em inglês foi "Every Woman in Me” composto de covers .
Você pode nos contar porquê você decidiu produzir agora um álbum em inglês?
LF: Como você disse, minha discografia já inclui álbuns em inglês. Além disso, comecei a cantar em inglês muito cedo na minha carreira. Mesmo antes de ser conhecida, eu estava cantando em locais ao vivo para repertório em francês e em inglês. Cantar em inglês sempre foi parte da minha identidade artística. E em muitos países, por exemplo, o Brasil ou os EUA, sou bastante conhecida pelas minhas músicas em inglês, como "I Will Love Again", "Broken Vow" ou "Adagio", em seguida, por minhas músicas em francês. A verdadeira questão é, na verdade, não é "por que eu decidi lançar um álbum em inglês? ", mas sim porque esperei tanto tempo para fazê-lo novamente... E a essa pergunta, eu posso simplesmente responder que senti que era o momento agora. Em parte devido aos encontros e mudanças na minha comitiva profissional. Mas também, porque, como artista multilíngüe, senti que a música que queria apresentar exigia a musicalidade da língua inglesa como veículo. Como a linguagem do meu álbum anterior era naturalmente em francês, as músicas de Camouflage foram escritas naturalmente em inglês. E, finalmente, Camouflage é o resultado de uma colaboração artística com Moh Denebi e Sharon Vaughn, que trabalham em inglês.

LFBR: Você pode nos contar a história da criação deste álbum?
LF: O "Camouflage" é o resultado de um encontro com esses dois talentos incríveis. O produtor musical e compositor Moh Denebi, da Suécia, e o letrista Sharon Vaughn, dos EUA. Meu gerente, Matt Ersin, me apresentou a Moh em Estocolmo. Nós fomos ao estúdio, nos sentamos, e Moh jogou um pouco de seu trabalho. Nós "combinamos mutuamente" imediatamente. Eu entendi depois de alguns minutos, que estava diante de um talento incrível. Nós decidimos lá mesmo trabalhar juntos. Então me apresentaram a Sharon, que é uma lenda nos EUA. Sharon e eu nos sentimos conectados diretamente como se nos conhecessemos há muitos anos. O processo de composição e escrita foi tão orgânico e suave, de uma forma que nunca antes experimentei; Às vezes, Moh começaria a tocar algumas notas, e eu seguiria com uma melodia, em outras músicas, Sharon ou eu proporia um tema, uma frase, e nós completaríamos as frases do outro, enquanto Moh começaria a tocar algo no fundo. E então, nós gravamos a demonstração no local.
Posso dizer que "Camouflage" é o meu álbum favorito de todos os tempos.

LFBR: Havia alguns artigos na imprensa indicando que você trabalhou com "o time do Vencedor da Eurovision "Måns Zelmerlow"; está correto?
LF: Moh Denebi, como produtor de música sueco, trabalhou com muitos artistas, suecos e internacionais. Ele é um compositor e produtor de música premiado. Ele também trabalhou, creio depois de terminar "Camouflage", com Måns. Mas não podemos chamar Moh como sendo parte da "equipe de alguém", ele é uma das figuras mais bem sucedidas e proeminentes da música pop sueca moderna. Em todo caso, acredito que Måns, eu e muitos outros artistas estamos no "time de Moh". E Sharon Vaughn é uma lenda nos EUA. Ela foi recentemente inserida ao "Hall of Fame" da Country Music em Nashville. Essa é uma das maiores honras que você pode receber na indústria da música nos EUA, e no caso de Sharon, bem merecido. Ela é uma mulher fantástica!

LFBR: Qual é a sua música favorita neste álbum e em qual sequência as músicas foram escritas?
LF: A primeira música que compusemos e escreveu foi "Chameleon". Eu acredito que reflete a diversão que nós tivemos, e a alegria de nós termos começado a criar algo juntos. Sentimos imediatamente que isso era "certo". E se eu me lembro corretamente, "Choose what you love most" foi a última que escrevemos. E em algum lugar no meio disso tudo, veio minha música favorita neste álbum "Camouflage".

LFBR: Por quê o título “Camouflage”?
LF: Provavelmente não é a música mais comercial do álbum. Henrik Janson e Ulf Janson, que trabalharam em vários títulos no álbum por um tempo, nos referimos ao projeto do álbum como "Chameleon", como foi o primeiro título que escrevemos e um dos nossos favoritos. Mas uma vez que "Camouflage" surgiu, senti que esse título era certo para este álbum. A música está questionando nossa necessidade de "misturar", nossos esforços, às vezes dolorosamente, para apagar as diferenças que nos separam dos outros, às vezes desistindo de nossas próprias cores em favor das cores do nosso entorno. É tanto sobre esconder-se como uma proteção em tempos difíceis, sobre o nosso desejo de estarmos conectados com os outros, "misturando-nos". Trata-se de colocar um sorriso no rosto, esconder a dor e não ferir os nossos entes queridos. Sorrindo, mesmo quando dentro de nós, temos uma tempestade acontecendo. E, musicalmente, acho que é uma das músicas mais lindas que já lancei.

LFBR: O seu último álbum, "Ma vie dans la tienne" foi sobre sua vida pessoal, sua família e o seu entorno. Você pode nos contar sobre a inspiração por trás desse novo álbum?
LF: Como artista, somos inspirados por tudo. Por pessoas que conhecemos, encontros com pessoas que são heróis escondidos de nossos tempos, mas também encontros curtos com pessoas simples e lindas; Estamos inspirados nos eventos em nossas vidas e na vida das pessoas que estamos perto. E também pelos eventos que nossas sociedades passam. Estes são tempos difíceis e assustadores. Especialmente, para minha geração, vivendo na parte ocidental e relativamente próspera do planeta, isso é novo. No entanto, devemos lembrar que, a humanidade tem piorado, vimos o Holocausto, as guerras mundiais, as catástrofes naturais, a fome em muitos países. Temos de levar em consideração os desafios dos nossos tempos e tentar promover e ser a mudança que queremos ver na sociedade. E ao mesmo tempo, temos a resiliência e força em nós para superar esses desafios. Continuamos com nossas vidas, nossas histórias de amor, nossos sucessos e feridas, fazendo o melhor que podemos. Portanto, "Camouflage" é sobre todas essas cores em nossas vidas; Trata-se dos desafios da vida, dos nossos medos e esperanças, sobre a gratidão pelo que temos, sobre amar, viver, fazer o nosso melhor. Eu acredito que as 12 músicas refletem musicalmente a diversidade de emoções que provavelmente passamos em nossas vidas nesses tempos estranhos. É um álbum cheio de cores, e isso também explica minha escolha para a obra de arte do álbum.

LFBR: O som do álbum é muito "eletro-pop". Isso é uma grande mudança para você?
LF: Na verdade não. É um álbum pop, que reflete os sons modernos do nosso tempo. A música não é estática. Há uma razão pela qual, quando ouvimos uma música dos anos 60, 70, 80 ou 90, podemos identificar a década em que a música foi lançada. Quando meu primeiro álbum em inglês foi lançado, títulos como "I Will Love Again" refletiu-se muito o som desse período, eles eram muito modernos e pop também. E um novo álbum em 2017, reflete os sons dos nossos tempos. Eu vivo muito no presente, no "agora e aqui", e minha música reflete isso.
Você pode nos contar algo sobre o video musical para "Growing Wings"?
Até agora produzimos dois videos musicais, para os dois primeiros singles, "Growing Wings" e "Choose what you love most". Nós filmamos os dois videoclipes na Islândia; Que país maravilhoso! ; Não é de admirar que tantos programas de TV e filmes sejam filmados na Islândia. As paisagens e a natureza são de tirar o fôlego. Foi uma grande experiência para mim gravar na Islândia, as condições climáticas nem sempre foram fáceis. Embora filmemos em julho, às vezes, estava frio. As distâncias para alcançar os locais de filmagem também foram longas. Passamos 5 horas a dirigindo em muitas ocasiões, depois retornamos de volta ao hotel, a acomodação é esparsa e nem sempre disponível para uma grande equipe de produção em todos os cantos do país. Mas foi uma experiência incrível. Nós também filmamos outras imagens, que usaremos durante o show. Alguns dos momentos foram realmente uma experiência única, e também perigosa ... Não posso te contar mais sobre o momento, não quero estragá-lo ... Você vai entender o que eu estou falando quando você ver o que mostraremos...

LFBR: Nós ouvimos sobre vários materiais musicais e de vídeo que foram produzidos no passado, mas que você nunca lançou. Existe alguma chance de que alguns deles sejam divulgados no futuro?
LF: Quando criamos, fazemos às vezes demonstrações e gravamos música, que, por várias razões, acabamos por não ser divulgadas. Às vezes, é porque "não a sentimos como a canção/produção certa", mas às vezes são razões administrativas ou legais que envolvem editores e outros fatores. Como artista, não somos integralmente "próprios" em todos os projetos musicais de que fazemos parte ou contribuímos. Também me perguntam às vezes por que uma música, um video de música ou um álbum em particular não está disponível em um país específico ou em uma plataforma digital. Não são decisões que podemos fazer sozinhos, os artistas, o assunto diz respeito principalmente a selos e distribuidores. Em relação aos projetos anteriores que não foram divulgados; há razões pelas quais eles não foram divulgados. E não há razão para cavar no passado e apresentar material antigo que não reflete minha música, que hoje me tornei como artista e mulher, ou o som dos tempos em que vivemos. Como eu disse, vivo muito no presente, e prefiro criar música nova, hoje.

LFBR: Vocês estarão viajando por todo o mundo; Você pode nos contar sobre o show, o que podemos esperar do "Camouflage World Tour"? Alguma chance do Brasil ser inserido no roteiro?
LF: Estamos trabalhando nisso. Definitivamente, será um concerto pop, um show divertido. Teremos mais pessoas na equipe e no palco, então durante a última turnê. É uma produção maior, e exigirá ensaios mais longos. E o show será mais longo do que o último. Como no álbum, não quero compará-lo com shows passados. Será muito um show de 2018, refletindo os sons pop do álbum "Camouflage", e traduzindo sua música para elementos visuais também. O setlist será baseado no novo álbum. Mas também incluirá músicas de álbuns ingleses anteriores. E talvez uma ou duas músicas em francês. Estou ansiosa para apresentá-lo em tantos países quanto possível.

LFBR: Você estará se apresentando pela primeira vez em alguns países. Será que mais datas serão adicionadas à turnê? Seus fãs em muitos países, como o Brasil, estão esperando você.
LF: A idéia é incluir o maior número possível de países para a turnê. Esta é também a razão pela qual não temos em todos os países, apenas um concerto. Vamos adicionar mais datas ao tour com certeza, minha equipe está trabalhando nisso. Não iremos adicionar mais datas no mesmo país, mas adicionando novos países. Esta é uma tour internacional, e o objetivo é apresentar o show nos muitos países que as restrições de tempo nos permitem. Você também deve saber que não consigo decidir sozinha em qual país iremos desembarcar a tour. Produzimos o show e as empresas organizadoras de concertos em cada país, decidem ou não, para nos convidar a realizar os concertos. Eles são os organizadores dos concertos em seu próprio país. Por exemplo, eu adoraria o "Camouflage World Tour" para incluir o Brasil e outros países da América Latina. Mas não depende de mim sozinha.

LFBR: Qual é o seu relacionamento com as mídias sociais?
LF: A mídia social pode ser uma espada de dois gumes. Para mim, plataformas como o Facebook são importantes para manter contato com meus fãs. E twitter ou Instagram, para me expressar diretamente, sem os filtros da mídia tradicional. No entanto, há também muita violência nas mídias sociais. Por trás do presumido anonimato da tela, as pessoas escrevem palavras que nunca falariam se estivessem de frente para a pessoa preocupada. Como um adulto e uma artista, aprendi a lidar com isso e escolhi simplesmente ignorar palavras odiosas. Eles são muitas vezes um reflexo de problemas pessoais dos autores, então qualquer coisa sobre mim ou minha música. Mas eu sei o quão difícil é ser um adolescente, sendo vítima de "mobbing" nas mídias sociais. Eu sou muito sensível às questões relacionadas às crianças e adolescentes, estou triste por ver que não existem iniciativas suficientes para resolver este problema, bem como a questão do uso adequado das mídias sociais, nos nossos sistemas educacionais. Também precisamos falar sobre essas questões dentro de nossas famílias, para explicar às crianças que nem tudo lido nas mídias sociais ou a Internet é confiável. Este é um grande problema. Quanto à minha página oficial do Facebook, eu gosto de visitá-la de vez em quando, ler comentários, publicar ou "distribuir likes". Essa conexão direta é importante para mim.

LFBR: Qual estilo de música você ouve atualmente?
LF: Eu tenho um gosto muito eclético. Adoro ouvir discos mais antigos, clássicos de música francesa e americana. Mas estou mais exposta a novas músicas através da minha filha, que continua me apresentando jovens artistas, eu não teria ouvido falar deles sem ela. Então, eu poderia trocar alguns minutos de Nina Simone por Imagine Dragons e depois de Sam Smith para Charles Aznavour, passando por Pnnk, The Weeknd ou Florent Pagny. Infelizmente, não há muito espaço para música na TV. A maioria dos shows de música desapareceram. Fico feliz que tenhamos shows de talentos, como "The Voice", onde ouvimos música ainda na TV e descobrimos ótimos talentos ... As principais estações de rádio reproduzem o mesmo Top 20 hits, uma e outra vez. Eu adoro navegar no Spotify para descobrir novas músicas. Há tanta música fantástica, que infelizmente não temos acesso.

LFBR: E quanto a seus projetos, como uma escola de música e um programa da Broadway?
LF: Ainda estão na minha mente. Eu escrevi material para um musical, mas é preciso muitos esforços financeiros para reunir e produzir um musical. Não tenho certeza quando e se isso se concretizar. Eu também adoraria estar no palco da Broadway e ser parte de um musical. A versão da Broadway de "Yentl" seria um sonho. Mas o projeto para abrir uma escola de música é algo que penso seriamente em conceber ...

LFBR: E os duetos? Você planeja algum no futuro próximo?
LF: Adoro duetos, e tenho a sorte de ter feito alguns com tantos artistas fantásticos. Os duetos são sobre compartilhar música com outro artista, juntando nossa música. Eles resultam de encontros artísticos e humanos. Eles também são dependentes de arranjos entre rótulos, e da agenda e disponibilidade de ambos os lados. Os melhores são aqueles em que, além da compatibilidade de vozes, existem valores compartilhados e uma generosidade real por ambos os lados. Tive a sorte de ter vários desses momentos mágicos, e espero ter mais destes no futuro. Gostaria muito de cantar com Michael Bublé, por exemplo. E eu adoraria ter cantado com George Michael ... que triste perda...

LFBR: Quais são seus próximos projetos? Outro álbum em inglês? Um álbum em espanhol?
LF: "Camouflage", o álbum e a turnê. Mas o próximo álbum será seguramente em francês, e está programado para o final de 2018, se não houver atrasos. E vou fazer uma turnê com o álbum francês também, com várias datas de concertos em toda a França, Quebec e Bélgica, provavelmente em 2019. Não está previsto um álbum completamente em espanhol ou em outro idioma. Até então, tenho outras surpresas e projetos. Por enquanto, estou concentrada em "Camouflage".

LFBR: Será que haverá um DVD do Concerto de "Camouflage"?
LF: Espero que sim, mas não posso dizer com certeza; Essas coisas dependem não só de mim. Filmar um concerto e lançá-lo como um DVD é um empreendimento comercial. Os DVDs estão rapidamente se tornando obsoletos. Talvez possamos exibir o show na TV, ou disponibilizá-lo em um canal de transmissão, como o Netflix. Mas é muito cedo para dizer. De qualquer forma, nunca irá substituir a experiência de assistir a um concerto e compartilhar a música ao vivo, respirar o mesmo ar, sentir o baixo em nossos corpos, nos olhando nos olhos. Essa é uma experiência única, tanto para o público como para mim.

LFBR: Se você tivesse um super poder, o que você escolheria?
LF: Eu acho que o teletransporte. Tanto quanto eu amo viajar, e estar em lugares diferentes, países, eu me canso de todos os problemas que temos de passar nos aeroportos, os atrasos, os voos cancelados, as verificações de segurança. Seria fantástico se eu pudesse simplesmente fechar meus olhos e abri-los em outro país, conhecer pessoas, fazer um show e, em seguida, voltar em piscar de olhos, de volta para casa, para minha família. Não seria fantástico?

LFBR: Duas semanas antes do lançamento de "Camouflage", como você se sente, qual é o seu estado de espírito?
LF: Estou animada e ansiosa. Talvez mais do que eu estivesse com um outro novo álbum. Porque este é um álbum que eu realmente amo. Eu acredito que criamos uma música verdadeiramente refletindo onde eu quero chegar e ser como artista e compositora hoje. É um álbum que é moderno e que respeita minha assinatura artística ao mesmo tempo. Ele coloca um fim para as questões inúteis e sem sentido do passado ao cantar com "muito poder vocal", ou não o suficiente. Estou verdadeiramente orgulhosa deste álbum e muito animada para compartilhar as músicas de "Camouflage" com vocês.

LFBR: Uma mensagem para seus fãs brasileiros?
LF: Obrigada por todas as suas perguntas, espero ter respondido a altura e a maior parte delas. Estou ansiosa para ler seus comentários nas várias páginas do Facebook, na minha página oficial, bem como nas páginas de fãs. Ouçam "Camouflage" em 6 de outubro, e me digam o que vocês acharam. E se vocês gostaram do que ouviram, venham aos meus shows no ano que vem. Vejo vocês em algum lugar, em breve...
Compartilhar Google Plus

Autor Jamerson

Postagens Relacionadas

1 comentários :

  1. Até então do novo álbum eu ouço todos os dias por muitas vezes "Choose what you love most", esta música é fantástica!

    ResponderExcluir

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial