Entrevista da Lara no site "LaDepeche.fr"


Depois de seu grave acidente no ouvido, fiel à promessa que ela fez para seu público, Lara Fabian continua sua turnê. ela Estará no Zenith em Toulouse na próxima quarta-feira.

Mais de 2000 pessoas compraram seus ingressos para os dois shows de Lara Fabian programados para o início de novembro no casino Barriere.. O cancelamento destes compromissos foi desesperador para os fãs, convidados a visitar o Zenith na quarta-feira, 11 de dezembro.

LD: Como você está após o acidente auditivo que você sofreu? Como consegue isso?
LF: Eu consegui com paciência. De qualquer forma eu não tenho escolha! Não vai curar imediatamente. Terei um ano. Eu posso cantar um certo período de tempo, mas se eu ir além sem descanso intermediário, eu retorno à zona de perigo. Eu tenho que ficar positiva, caso contrário, eu poderia cair em depressão. Uma condição que possa interferir com a cura.

LD: Seu álbum é chamado de "Le Secret" (O Segredo). Que segredo é?
LF: Ele encontrou a felicidade.
O álbum conta a história de uma pessoa que já não pode ser afetada por coisas que a machucam em sua vida: a infância abalada, traições, transtornos alimentares ... Este é o caminho da pessoa que faz a escolha da resistência e do perdão para encontrar serenidade e felicidade de finalmente amar a si mesma.

LD: Este é um álbum muito pessoal, muito autobiográfico ...
LF: Sim, mas, ao mesmo tempo, vivendo momentos dolorosos num curso de vida é inevitável e universal. Estou falando por mim, mas eu acho que ele também fala de muitos seres nesta terra.

LD: O que te traz a colaboração com a compositora norte-americana Janey Clewer?
LF: Esta é uma mulher cuja sutileza é uma dimensão musical verdadeiramente excepcional, uma compositora cuja musicalidade me permitiu abordar tópicos que nunca poderia abordar sem ser usado por música como em "Amourexique".

LD: "2 ils 2 eles" demonstra que o seu compromisso com a "lei do amor para todos" está ainda mais forte ...
LF: Eu já abordei esta questão em 97 com a minha música "La Différence". A mensagem que quero transmitir é a da tolerância. A homossexualidade continua sendo um tabu. Nós avançamos o machado nesta área. É nosso dever, nós artistas transmitimos mensagens, advogando tolerância e abertura.

LD: Você canta em poucos dias, no Carnegie Hall, em Nova York. Um leve estresse antes desta grande première?
LF: Certamente nessa mesma noite, sentirei muito medo, mesmo porque eu vejo com esta experiência parte de um sonho que se torna realidade.

LD: Você cantou na Bielorrússia mesmo apesar do cancelamento no Uzbequistão?
LF: Eu cantei na Bielorrússia, na frente de 4.500 pessoas, e eu falei sobre os direitos humanos. Há uma grande diferença entre a política e as pessoas que sofrem por conta dela. É para eles que eu canto.

LD: Você quer dizer algo para o público de Toulouse?
LF: Agradecê-los por ter me esperado.

Fonte: LaDepeche.fr
Compartilhar Google Plus

Autor Jamerson

Postagens Relacionadas

0 comentários :

Postar um comentário

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial